sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Animal não é presente de Natal




Faz algum tempo penso neste post. Até porque sou veterinária, antes de ser mãe.
Quando resolvi ter filhos eu já tinha 4 cachorros (porte grande) e 3 gatos. 
Claro que quando o Francisco nasceu eu criei aquela imagem de filme de comédia romântica com ele numa canga no jardim, iluminado pelo sol e a bicharada toda em volta tranqüilamente.
Não é bem assim que acontece, qdo ele era pqno não gostava muito dos cachorros, pq os caninos lambiam o rostinho dele e ele não gostava.
Decepção total para a mãe veterinária. Ele não tinha medo, não chorava, só os evitava. Em compensação um dos gatos virou o melhor amigo do meu bb. Claro que no início tomei alguns cuidados, como deixar a porta fechada do quarto quando ele estava dormindo, mas depois que ele estava mais pesado que o gato deixava os dois compartilhando o berço.
Um dos segredos para a adaptação dos animais depois que vc chega com um pacotinho novo em casa é fazer que o animal entenda que ele não perderá seu espaço, seus donos, suas brincadeiras, ou seja, tente incorporar a vida do bebê a vida do seu pet e não ao contrário, isso é bom pra todos.
Ah!  E quando algum obstetra disser pra vc se livrar dos seus bichinhos de estimação por causa da gravidez, troque rapidamente de médico. A tão temida toxoplasmose pode ser mais facilmente transmitida através de uma salada mal lavada de um restaurante chic do que do seu doce bichano que vive somente dentro do seu apartamento. Por isso quando ficar grávida, leve seus bichinhos no veterinário e faça uma consultoria com ele.
Agora se vc não tem um pet e quer pq quer formar a família Doriana completa, pense bem, pondere vários aspectos.
Primeiro. Vc quer ter um gato ou um cachorro? Do que vc mais gosta? Qual personalidade combina mais com a sua família? Vcs viajam muito?
Gatos são mais independentes, mais fáceis de lidar na questão de limpeza, podem ficar alguns dias sozinhos. Entre os felinos tb tem uma variação menor de personalidade, com exceção do siamês que são estricnados e amam escalar cortinas......
Também abandone o pensamento que os gatos adotam a casa, que são traiçoeiros e causam alergia. Tudo mito, quase da idade média! 
Se vc for escolher um cão, pense na raça, pesquise a personalidade da raça, as característica, os cuidados com pêlo, pelagem e alimentação e as possíveis doenças que cada raça é propensa. Agora se optar por um vira latas, dê preferência em adotar um adulto, pois um filhotinho de vira é uma caixinha de surpresas, como não sabemos quais raças estão ali misturadas, dificilmente saberemos a personalidade que o pqno dog terá, assim como tamanho e outras cositas mas!
Outra coisa muito importante!!! Qual a idade do seu filho? A interação com animais rola melhor a partir dos 6 anos. Eles tomaram mais cuidado e vão interagir melhor. Se seu filho for muito pqno de preferência a animais de médio porte, pois são mais resistentes aos carinhos de nossos pqnos humanos. Já vi crianças derrubarem filhotinhos do colo e estes morrerem ou ficarem sequelados com a queda.
Enfim, e nunca, nunca esqueça. Um animal não pode ser presente de Natal, ou de aniversário, pq ele não se enquadra ao mundo dos objetos, eles precisam de atenção, cuidados, carinho, eles possuem personalidade, humor e amor!!!!

sábado, 25 de outubro de 2014

Existe casamento após os filhos?



E então você encontra o homem da sua vida e pensa, ele vai ser o pai dos meus filhos.
Vocês formam um belo casal feliz e resolvem virar uma família. Planejam o bebê, descobrem-se grávidos, escolhem o nome, curtem a barriga, decoram quartinho, compram o primeiro sapatinho....
Um dia quando ninguém espera nasce o tamagochi e o bebê virtual vira real e vcs realmente são uma família.
Pois então, isso é o que acontece na maioria das vezes, mas o que ninguém te conta é que essa propaganda de margarina dura pouco.
Comigo foi assim. Logo que meu primogênito nasceu, a realidade de ter um bb caiu como uma bigorna na minha cabeça, o relógio era o meu maior inimigo. Meu marido me ajudou muito com as tarefas novas em casa e com o bbzinho. Confesso que sintia um certo tesão ao vê-lo praticar a partenidade, mas meu tesão terminava por aí. Me sentia gordinha, disforme e quando a gente amamenta sente constantemente um cheirinho de azedo. Sentia vergonha do meu corpo e principalmente dos meus seios, que viviam vazando.......o sexo estava mais sem importância.
Bom, este era o primeiro sinal que o casamento estava rachando. Mas eu não percebia, só achava que era uma má fase, culpa da minha baixo auto estima misturada com hormônios enlouquecidos.
De repente, mais ou menos quando o Francisco ia fazer uma ano, o homem da minha vida, o cara que eu tinha escolhido para ser pai dos meus filhos, me irritava e muito.
Percebi que cada opinião que ele dava a respeito da educação (até então o tamagochi só era alimentado e cuidado, ainda não precisa mexer na configuração EDUCAÇÃO), de como devia fazer certas coisas com o MEU menino, eu ficava muito nervosa. E quando ele fazia coisas que eu discordava, ou as coisas que eu recomendava saiam meio nas coxas, era o fim, irritação grau TPM plus.
Eu me irritava, mas não falava, o problema foi quando resolvi a começar a discutir. Eram discussões diárias, briguinhas irritantes todo o santo dia.
Eu me perguntava, cadê aquele homem que eu me apaixonei? Quem é esse babaca irritante? Da onde ele saiu?
E as briguinhas continuavam. E começaram acusações do tipo.....se na casa da sua mãe era assim, aqui não vai ser!
Percebi que estava conhecendo um lado da educação dele que não sabia que existia.
No aniversário de um ano do Chicão foi um dia muito triste, onde sentamos, conversamos (brigamos feio) e resolvemos que estava tudo acabado. Que depois da visita dos nossos pais (sim, eles moram a 400 km, thanks God) iríamos cada um pro seu lado. Foi o parabéns mais triste que cantei na minha vida.
No dia seguinte conversamos mais um pouco, os ânimos estavam mais leves e resolvemos nos dar mais uma chance. Vou confessar que não foi fácil decidir ficar, parecia que eu estava me obrigando a comer uma comida que odeio.
Bom, mas os dias passaram, as discussões continuaram, mas mudaram o tom de briga para um tom de "estou de conhecendo mais um pouco", nem sempre gostava do que eu era apresentada, mas tolerava. E claro, não vou tirar a minha culpa, com certeza do lado dele ocorriam as mesmas sensações e sentimentos.
Mas como sempre para tudo tem uma solução, um vislumbre, isso aconteceu. Foi em um dia em que fomos levar o Francisco na natação, ele devia ter mais ou menos um ano e meio. Como toda mãe babona do seu primogênito, fiquei do lado de fora com a maquina fotográfica esperando para tirar fotos de pai e filho. De repente apareceu uma fila no corredor vindo em direção a piscina. Umas meninininhas fofas com seus roupões rosa, chinelinho combinando, tb tinham meninos assim, com touquinhas de tubarão, todos de propaganda, fofos de mãos dadas com suas mães. Foi aí que reparei nas pessoinhas de mãos dadas com seus pais. Era hilário, as tocas tortas, sungas enroladas, sem o chinelinho, alguns com roupão, mas aberto mesmo.
EUREKA! A luz se fez!!! Todas as pessoinhas com menos de um metro de altura estavam extremamente felizes, seja perfeitamente arrumadinho ou todo desgrenhado. O Tico e o Teco gritaram na minha cabeça......... É isso! 
A minha conclusão após ver esta cena, que até hoje passa em câmera lenta na minha cabeça é.......ele também é o pai, ele tb tem o direito de cuidar, amar e principalmente errar do jeito dele, o filho é dos dois, foi produzido meio a meio, inclusive geneticamente. 
Diminui de discutir, tolerei mais, me afastava em situações em que não concordava, me coçando, mas não podia entervir. Entendi que tinha mais um na relação, que tudo era dividido em três. Ainda discutimos sobre a educação, mas hoje concordamos mais. Ainda tem coisas que acho absurdo e chato.
Enfim relacionar-se. Procure no dicionário o que é relacionamento. É uma troca diária. Se nós abríssemos mão pararíamos de nos relacionar e nunca saberíamos se daria certo. Ser casal é diário, é rotina, é chato, é legal, é entrega, é luta, é parceria. E claro que não poderia abrir mão daquele homem que tanto admirava, que me fazia suspirar antes de ter filhos, afinal um dia os "catarrentos" vão embora é ficaremos nós e nossa história.
Agora como ficou o sexo depois dos filhos, fica pra outro post.......

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Nova infância X Velha infância

Toda vez que me deparo com aquelas imagens prontas no Face comparando a infância de antigamente com a de hoje fico um pouco chateada.

Como que alguém que tem filhos pode considerar que teve uma infância muito mais feliz que a do próprio filho?  Tem alguma coisa errada aí!!!

Esses comparativos mostram que a nossa geração brincou na rua, pulou corda, sumia de bicicleta pelo bairro e por aí vai. Em contra partida, mostram que as crianças de hoje ficam só dentro de casa com alguma coisa eletrônica na mão.

Agora vou explicar o que há de errado. Realmente a nossa infância tínhamos mais acesso as brincadeiras de rua, aos amigos do bairro, as mães tinham que buscar a gente a noitinha na rua e interromper alguma conversa que estava rolando na rodinha dos amigos, para ir jantar e dormir.

Mas dai você dizer que as crianças de hoje são menos crianças, mais nerds e uma porção de rótulos inúteis é muita pretensão. O que qualifica uma infância feliz? O tipo da brincadeira? O tempo de risadas?

Bom, como uma simples mortal, acho que a infância hoje é tão rica quanto a nossa. Se você quer que seu filho tenha lembranças parecidas com as suas então proporcione isso. Não dê um celular pra ela aos 6, ou aos 7, nem ao menos aos 10 anos de idade. Leve a parques, incentive brincadeiras outdoor.

Por exemplo, eu é meu marido sempre gostamos de morar em casa e achamos Curitiba suficientemente segura para morar em uma casa de bairro e ainda encontramos uma numa rua sem saída, perfeito, a turma anda de bicicleta na rua e outro dia mesmo quando chegamos da escola tinha uma turma jogando queimada na frente de casa, claro que o Chicão nem entrou.

Claro que fiquei preocupada, mas relaxei, afinal eu o via da minha janela e pensei quantos malucos que eu conheci no meu bairro que minha mãe nem sonha!

A turminha de hoje é fantástica! Eles tem um vocabulário muito mais rico, gostam de ler, comem bem e corretamente, têm uma consciência ecológica e de cidadania invejável, preconceito por qualquer motivo é algo babaca e incompreensível. E a nossa geração? Vai dizer que aos seis anos tínhamos a consciência da importância do ecossistema da amazônico e ao mesmo tempo fazer coleção de caixinha de chicletes Adams? Eles são admiráveis!!! Porque não participar com eles desse novo mundo a ser construído?

Acho os adultos de hoje um pouco pretensiosos ou prepotentes em dizer que a infância deles que foi a verdadeira, que hoje a turminha fica só na frente do vídeo game. De novo, proporcione ao seu filho o que deseja para ele. Aqui temos vídeo game, mas os meninos respeitam os combinados e os limites de tempo

O respeito com a infância começa ao se respeitar o tempo dela, as possibilidades dela e claro participar dela.

Mãos a obra e vamos extinguir o tal conflito de gerações!!!!

OBSERVAÇÃO: as crianças de casa além de ralar o joelho ainda podem jogar vídeo game! Não é fantástico somar?

 

image

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Dor, muita dor.



Hj ouvi mais um não na minha vida. Esse não me tirou todos os ossos do corpo, me transformou num amontoado, numa massa amorfa, sem vibração nenhuma. Me deixou estática, parada e sem poder reagir.
Ouvi o não mais ensurdecedor da minha vida, me tirou as esperanças, me tirou a alegria, me tirou todos os planos.
Mais uma vez ouvi um não, que deixou dúvidas sobre as minhas escolhas, sobre a minha competência, sobre a minha empatia.
Esse não me causa fraqueza, enjôou, indignação. Esse não me deixa impotente, frágil.
Minha ultima chance se foi. Meu ultimo portal se fechou. Não vou mais me enganar, realidade dói e muito.
Esse não vai me fazer ficar nesta condição para sempre. Um potencial mal aproveitado, pilotando um fogão e duas crianças.
Não acredito mais em capital humano, em pesquisas de revista, onde se diz a melhor empresa, blá blá blá.
Há duas semana atrás, fui mais longe do que já havia ido, por muito tempo, procurando uma recoloção na área que sei trabalhar, no que gosto verdadeiramente de fazer......trabalhar na indústria farmacêutica veterinaria, ver pessoas novas todos os dias, discutir números, planilhas, observar crescimento, cobrar desempenho. Se estressar fazendo fechamento de mês. Estava tão radiante fazendo uma entrevista, que parecia que estava ganhando a oportunidade de uma vida toda.
Sim, era a oportunidade de uma vida toda, meu maior sonho sempre foi ser uma executiva em alguma empresa grande, crescer e fazer carreira, sim tudo estava se encaixando, até os valores.
Eis que começa a entrevista. Qual foi a primeira observação da minha ex-futura chefe.......vc tem dois filhos. Outra observação no meio da entrevista.........como vc vai fazer com eles qdo precisar viajar???
Sim tenho dois filhos e eles são problema meu, tanto que eles não estão no meu CV. Eles podem estar incluídos no meu currículo de mãe, mas nunca no meu profissional. Eles são tão problema meu que nunca vc irá saber qdo caiu o primeiro dente, qdo ele fica doente, ou até onde eles estudam. Sim, eu tenho responsabilidade e maturidade suficiente para não atrapalhar o meu ex-futuro trabalho com a minha vida pessoal. 
Qdo me perguntam como vou fazer com meus filhos qdo eu precisar viajar, tenho uma vontade imensa de responder que esse é um problema meu. Se meu compromisso é viajar a trabalho, viajo a trabalho. Onde meus meninos ficam, como ficam, não deveria interessar a empresa.
Ah! Interessa sim, mas qdo vc tem os filhos durante o período que esta empregada. Qdo eu estava trabalhando e já tinha os meninos, nunca me perguntaram como é com quem meu bb ficava. Eles estavam interessados que cumprisse os meus compromissos.
Quanta dúvida me traz o fato de ter optado em ter filhos e qta dor me traz ter essa dúvida.
Até quando a produtividade e a capacidade das mulheres que têm filhos será colocada em dúvida? Como se fossemos algum tipo de deficiente físico.
Até quando as mulheres que por um motivo ou outro deram um tempo na profissão vão ter que inventar novas profissões e posições para se recolocar???
Estou estraçalhada, tinha muitos planos. Mas vou continuar aqui, descascando cebola, estendendo uniforme no varal e acompanhando lição de casa.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Todas as formas de preconceito



Ontem fomos assistir o jogo do Brasil na casa de amigos, que por coincidência são da escola, claro que lá encontramos outros pais da turma dos meninos.
Só explicando, a escola dos meninos é um pouco diferente, trabalha com construtivismo e muito conteúdo cultural, em artes plásticas, música e literatura.
Ok! Eis que numa rodinha de mães, começamos a conversar assuntos variados e lá pelas tantas uma das mães, que tem uma franquia de escola de inglês, disse que foi divulgar a sua escola no colégio Marista Paranaense e ficou In-dig-na-da com a festa junina deste colégio, pois tinha tocado música sertaneja a festa toda, com letras muito ofensivas e que aquilo não poderia ser do contexto junino.
Claro que a Melissa Da Cara a Tapa já começou a questionar........
- Mas pq vc achou tão ruim assim???
- Ah! Música sertaneja não é pra festa junina. Aliás são muito ofensivas, denigrem a imagem da mulher, tem valores estranhos. Muito me estranha uma instituição comprometida com educação tocar este tipo de música para as pessoas, principalmente para as crianças!!!
- Entendi!!! Mas tem quem goste e muito!!! Acho que não podemos descriminar assim. Nesse exato momento pode ter outra rodinha de mães dizendo que a festa junina do Projeto é uma saco, cheio de bicho grilo, com música nordestina insuportável e um safoneiro irritante que não parava de tocar....
E tem mais, para mim, tudo é MPB, música POPULAR brasileira. 
Eis que uma outra mãe entra no debate.
- Desculpe, mas não considero esse tipo de música MPB. E é um absurdo mesmo tocar essas músicas sertanejas, não tem nada ver com festa junina. Nós como educadores e pais devemos mostrar o que é a verdadeira festa junina para as crianças.
Retomei meu raciocínio.
- Gente é música brasileira, tem quem goste é com certeza os pais dessa escola não acharam ruim. 
Qual a definição de POPULAR??? Vai pelo Brasil afora ver o que toca nas feiras agropecuárias, nas festas populares. Não gosto de sertanejo, mas não posso julgar quem goste, muito menos achar que o cara é menos do que eu.
A mãe educadora volta ao diálogo.
- Mas nosso papel é ensinar as coisas de qualidade, cultura, o Brasil de verdade......
Melissa da a Cara a Tapa truca.
- Gente música sertaneja, forró, quizumba, funk é do mundo!!! Quem sou eu pra dizer o que é bom ou ruim??? Só sei que gosto de umas e desgosto de outras. Não posso ensinar o meu gosto musical pros meus meninos, posso apresentar e deixar eles decidirem. Se eu impor, estou criando um preconceito. Vcs não acham?
Claro que nessa hora muitas gaguejaram e começaram a se justificar que isso não é preconceito, é educação e blá, blá, blá.....
Bom, eu simplesmente parei de emitir minha opinião, pq afinal era a única que pensa que o que é do mundo tem que ser apresentado, digerido e depois decide-se o que fazer com aquilo.
Mas o que realmente me incomoda nessa história toda e já conversei muito com o Fábio a respeito disso é que estudar em uma escola alternativa (odeio essa palavra) tem seu lado bom e ruim.
O lado bom é indiscutivelmente maior que o lado ruim. Mas acredito que muitas pessoas acham que cultura é moeda de riqueza. E a cultura dela! Essa coisa que o erudito é melhor que o popular, que a pessoa que curte um forró de raiz é melhor, mais iluminado do que quem canta alegremente um Michel Teló da vida, me incomoda muito.
Além de tudo felizmente, ou infelizmente, nossas crianças sabem cantar Michel Teló e fazem puta idéia de quem é Chico Buarque ou Mozart. Bom, muitos podem até saber, mas duvido que eles saem por aí assoviando Mozart ou dançando "Cotidiano". Nem por isso elas são menos felizes, inteligentes, etc...
Acho que realmente rola um preconceito dos tais "intelectuais" com o que é realmente popular, digo popular no sentido que consegue agradar classes de A a Z. Um apartheid. Estudei em Universidade. Federal, onde tinha gente do Brasil inteiro e convivi com pessoas de todos os tipos, sociais, raciais e musicais. Curti todos eles, não julgava, observava.
Enfim a minha frase final na rodinha de mães, enquanto elas continuavam a discutir e eu pensava na hipocrisia da primeira mãe, que foi divulgar seu negócio. Sim, pq aquela turma com intelecto inferior por escutar sertanejo de baixo calão tinha muito dinheiro no bolso para se matricular na escola de inglês.
Anyway, minha frase final na rodinha foi:
- Mas é tão simples, se a gente não gosta do que esta tocando a gente vai embora!!!

domingo, 25 de maio de 2014

Cultura da Ponta do Iceberg

Não sei se este post tem a ver com maternidade, mas tem a ver com maturidade, bom senso, eu acho. Coisas que quero transmitir para os meus meninos.
Me formei em uma Universidade essencialmente agrícola, meu marido é engenheiro agrícola, muitos dos meus amigos (que não vejo com a freqüência que gostaria) são veterinários, zootecnistas, agrônomos e até engenheiros florestais. Convivo com o assunto agricultura, alimentação, melhoramento genético desde os meus 19 anos.
Bom para quem interessar saber, veterinário não trata só de cachorrinho e gatinho, ele trabalha com produção animal, melhoras na produtividade e saneamento. Muitos não sabem que o maior objetivo da profissão é o bem estar do ser humano, a saúde pública e por aí vai. 
Meus amigos zootecnistas além de trabalharem com produção animal, melhoramento genético, trabalham com composição de rações animal, o que aliás é muito interessante, pelo simples fato de elas serem formuladas com material de primeira, enriquecidas com vitaminas e minerais, tudo para ter uma conversão melhor possível, ou seja, muito melhor que o cereal matinal que vc dá para o seu filho!
Na verdade é aí que quero chegar. Hoje vejo as pessoas histéricas com o que comem, com o que compram para alimentar as suas famílias, o que é natural, pois todos queremos o bem de quem amamos incondicionalmente. O que me irrita hj é que as pessoas não tem, ou não querem ter o conhecimento necessário para julgar os fatos, no caso a histeria alimentar que ocorre hj em dia, é o que eu chamo dos teóricos da ponta do iceberg.
O fato dos trangenicos é uma realidade, mas alguém sabe porque eles existem. Os prós e os contras.
Ok, falarei de alguns prós que não te dizem, com o desenvolvimento dos trangenicos a produtividade do campo aumentou e muito (bom para a nossa economia não é? Vcs sabem a composição do nosso PIB?), a quantidade de agrotóxicos usados no campo diminuíram significativamente (bom pra nossa saúde não?). Aliás alguém aqui sabe comprovadamente o que os transgenicos causam a saúde humana? Aliás alguém aqui sabe a quantidade de agrotóxico que tem no tomate que vc compra na feira? 
Outra curiosidade da profissão de veterinário. Vcs sabiam que aquela picanha com dois dedinhos de gordura é produto de uma seleção genética minuciosa, que aliás é proveniente de inseminação articial, proveniente de seleção do sêmen dos melhores touros que tinham as qualidades desejáveis para produção, como ganho de peso, conversibilidade de ração em carne e quantidade de gordura corporal?
Então não me venham com hipocrisias! Trangenicos são u ó  e todo tipo de baboseira que as pessoas andam lendo em revistas, ou na internet.
Tudo isso é moda, invencionice para uma vida mais saudável, como a mania de comer coisas sem glúten. Dieta sem essa proteína do trigo só é recomendada para quem tem doença celíaca. Se não fosse assim a humanidade não sobreviveria e não haveria a quantidade infinita de variedade de pães pelo mundo afora.
Essa foi a discussão do café da manhã. Onde encontramos mais hipocrisias. As pessoas vivem renegando o desenvolvimento tecnológico na agricultura (sim, tem-se muita tecnologia na agricultura, no desenvolvimento de híbridos, na produção animal), mas não largam seu celular, estão sempre atrás das últimas novidades em tecnologia, mas ignoram completamente, ou não querem acreditar no mal que celular pode causar ao nosso corpo (ele emite muitas ondas que passam no meio do nosso cérebro, sabia?)
A conclusão no café da manhã foi que as pessoas agem com as notícias como na década de 1930, quando Orson Welles anunciou a invasão Marciana, todos entraram em pânico, queriam fugir, alarde geral. Mas será que tinha algum ser humano questionou se os tais marcianos poderiam estar vindo em missão de paz?
Pois é a geração da informação da ponta do iceberg é assim, não questiona, aceita, não procura mais informação, fica histérico.....

domingo, 11 de maio de 2014

Feliz dia das mães!!!

Feliz dia das mães!!!


Feliz dia das mães!!! Menos pra mim. Pq não me sinto mãe de ninguém. Pq acho estranho ouvir que sou a mãe do Francisco ou do Caio.
Mãe é aquela que sabe tudo, eu ainda não sei, estou aprendendo junto com eles.
Mãe é aquela que tolera, tem paciência, eu ainda explode, grito e sou injusta.
Mãe é aquela que conforta e da colinho, eu no máximo digo que já passou, e digo......levanta, sacode a poeira e da a volta por cima.
Mãe incentiva, eu fico do lado.....
Enfim, me sinto muito mais uma irmã mais velha, com uma missão de transformar duas pessoinhas em seres dignos, felizes e com bom caráter. E nessa caminhada tb vou aprendendo.
Aprendendo que temos que ensinar tudo ao outro serzinho. Até que tem amigos legais e outros nem tanto, ensinar a se relacionar.
Não me sinto mãe ainda.
Vou contar que desde a minha primeira gestação, tenho um pensamento.....e se eu faltar? No caso morrer mesmo. Não quero que eles sintam a minha falta, quero que eles continuem caminhando e traçando sua própria história, com isso, crio meus meninos super independentes de mim, tanto que começaram a viajar sem mim com 1 ano e meio (claro que com avós e madrinhas).
Vou contar que esse meu pensamento tb me serve de proteção, vê-los caminhar sozinhos, mas é dolorido, pq muitas vezes eles não olham pra trás. Mas é isso que estou plantando né?
Ainda não sou mãe, ainda tenho muitas falhas, dúvidas. 
Mãe mesmo é a minha mãe. Que possui todas as qualidades acima citadas. Mas um dia chego lá, talvez com meus netos!